Ícone Menu

Um Menino Toca Flauta No Metro - Aut Paranaense

LV403055

Por: R$ 30,00

Preço a vista: R$ 30,00

Comprar
Em uma das crônicas de "Um Menino Toca Flauta no Metrô", Miguel Sanches Neto recorda o que dizia Nietzsche sobre o valor confessional na literatura: "Falar muito de si é também uma maneira de se esconder". No terreno da crônica, onde o emotivo se funde com as arbitrariedades do olhar - o escritor como testemunha -, as raias da realidade ficam ainda mais turvas. E é nesse campo, do falar de si sob o inconclusivo prisma literário, que Miguel Sanches Neto monta seu acampamento. A obra, lançada pela Container Edições, é o compilado de 38 textos escritos entre 2003 e 2011 e promove uma descida ao epicentro do processo criativo, onde a única certeza é de que não refletir sobre a própria produção é meio caminho em direção ao precipício. O escritor ingênuo mora longe. "Um Menino..." é um estudo intenso sobre o que é ser escritor em uma época de tantos usuários públicos da língua, o inerente excesso de ruídos e ferramentas. Para Sanches Neto, a crônica é um arcabouço de peculiaridades, rituais e impressões sobre a escrita, uma plataforma para o relato das idiossincrasias do fazer literário. "Como escrever é carência, estratégia para preencher vazios, o autor sempre quer a aprovação amorosa de seu trabalho". A prosa do livro é fluente, preocupada em fazer do leitor um cúmplice, sem maiores forças de convencimento. Em certos momentos, a condução oscila entre a ausência de piedade e um chamado ao prazer da leitura, com a leveza de quem quer contar com simplicidade. Se fosse um quadro, a prosa de Sanches Neto certamente não seria uma natureza-morta. Seu texto alimenta-se das cores de seu lado memorialista, dos tons de crítica literária, do lado professor, do romancista que ainda não escreveu seu grande livro. Por isso, fantasmas atravessam suas linhas e luzes brotam de onde não se espera nada. Um e outro excesso também se faz presente: "Sonho com uma escola em que os alunos possam fazer soar a flauta da linguagem". Miguel Sanches Neto é dotado de uma literatura velocista, de fluxo, como se estivéssemos andando num calçadão de metrópole, tentando apreender o mundo. O uso literário da língua terá sempre uma tendência para a deformação. Aprender a usar a linguagem corrente garante uma comunicação sem maiores turbulências, mas a sua versão literária introduz elementos que não estão a serviço de uma expressão racional, e sim passional. "Um Menino Toca Flauta no Metrô" entrega um apanhado de (in)conclusões sobre a vida, com a cobiça de quem quer empurrar a linguagem para melhor contar. E se, para isso, for necessário abrir a intimidade e, de lá, produzir sentido, tanto melhor. Preservação da intimidade, em matéria de literatura, é ato falho. Até porque, como diz Sanches neto, não há verdade, apenas versões. DANIEL ZANELA, GAZETA DO POVO

Avaliações do Produto

Dúvidas dos Consumidores