Produtos encontrados: 499 Resultado da Pesquisa por: em 12 ms

Itens por página:

Produtos selecionados para comparar: 0Comparar

  • 457924

    15,04 %

    Brasil Dos Humilhados

    sinopse
    • Neste livro, Jessé Souza demonstra com clareza nosso real lugar no mundo e apresenta a importância de compreender como nossa elite intelectual, submissa à elite do dinheiro, construiu uma imagem distorcida do Brasil disfarçando todo tipo de privilégio injusto. Em um texto elucidativo e de fácil leitura, Brasil dos humilhados descortina as bases elitistas do pensamento social brasileiro dominante que culpa o povo, supostamente inferior e corrupto, pelo seu próprio abandono. Além disso, expõe como as elites econômicas e políticas se apropriam dessa ?inteligência? para aumentar seus domínios sobre a população e dinamizar seus ganhos. Sabemos que é difícil explicar o Brasil, país de extensas riquezas e de sociedade abissalmente desigual. Quando recorremos às respostas oferecidas pela ciência social brasileira desde 1930, lidamos com visões hegemônicas sobre nós mesmos que são usadas pela elite e sua imprensa para nos descrever como mais desonestos, mais feios e mais burros que os habitantes do Norte global, como se estivéssemos amaldiçoados a reproduzir tipos sociais inconfiáveis. Essa visão provinciana e depreciativa do povo brasileiro foi determinada pelas ideias dos intérpretes mais importantes do país, como Sérgio Buarque de Holanda, e trazida até a atualidade por outros pensadores fundamentais, como Raymundo Faoro e Roberto DaMatta, influenciando a maior parte da inteligência nacional até hoje. Com a legitimação científica, a ?tolice da inteligência brasileira? expressão irônica de Jessé Souza para se referir a essas leituras enviesadas do nosso pensamento social, se alastrou por toda a sociedade: das elites industriais, financistas e da mídia aos partidos políticos, da direita à esquerda. Isso fez com que estigmas sobre a suposta corrupção do povo, a miséria criada por culpa própria e a preguiça se somassem, criando uma autoimagem do Brasil como nação sem futuro e da percepção dos brasileiros como seres desprovidos de virtudes. ?O sociólogo Jessé Souza questiona as bases do pensamento nacional. ? -El País ?A tese central deste livro de Jessé Souza é que tamanha ?violência simbólica? só é possível pelo sequestro da ?inteligência brasileira? para o serviço não da imensa maioria da população, mas sim do 1% mais rico. Isso que possibilita a justificação, por exemplo, de que os problemas brasileiros não vêm da extraordinária concentração de riqueza, mas sim da ?corrupção do Estado?, levando a uma falsa oposição entre Estado demonizado e mercado virtuoso - Fernando Nogueira da Costa. O cerne da contribuição de Jessé Souza reside na tentativa de mostrar que as sociedades modernas ?centrais? e ?periféricas? não são tão distintas como parecem - Alexandre de Freitas Barbosa. Para o entendimento das práticas artísticas e literárias em um país de tão marcante desigualdade (...), as várias originais contribuições de Jessé Souza são capazes de produzir ecos estridentes - Gabriel Estides Delgado.
  • 448223

    19,03 %

    Cuidar Uns Dos Outros

    sinopse
    • Uma reflexão urgente sobre como contribuir para a evolução da sociedade Todos os dias, mesmo sem nos darmos conta, participamos do contrato social ao cumprir obrigações como cidadãos. Cuidar de outras pessoas, pagar impostos e usufruir de serviços públicos são elementos do contrato social que nos sustenta e nos une. Atualmente, contudo, o contrato está partido. A mudança nas tecnologias, os novos modelos de trabalho, o envelhecimento populacional e as alterações climáticas nos desafiam a rever nossos deveres enquanto sociedade. Em Cuidar uns dos outros, a economista Minouche Shafik nos conduz em um passeio pelos estágios da experiência humana - criar filhos, estudar, adoecer, trabalhar, envelhecer - e assim nos mostra como a reorganização social é possível. A partir de exemplos do mundo todo, a autora demonstra que os países podem oferecer a seus cidadãos o mínimo necessário para que tenham uma vida digna. Mas, acima de tudo, o que se evidencia é que precisamos passar a cuidar uns dos outros. Uma sociedade mais generosa e inclusiva compartilha os riscos coletivamente, de forma que todos contribuam ao máximo. Neste livro, Shafik identifica os elementos-chave para um contrato social mais humanitário, que reconhece nossas interdependências, investe mais nas pessoas e, em troca, espera um retorno maior dos indivíduos. Com argumentos sólidos, Cuidar uns dos outros nos faz pensar em soluções práticas para desafios atuais e nos indica como podemos construir uma sociedade melhor - juntos.
  • 455735

    15,05 %

    Nietzsche E As Mulheres

    sinopse
    • As reflexões de Nietzsche sobre as mulheres não têm um lugar marginal em sua obra, elas não se reduzem a preferências pessoais e, menos ainda, a desvios eventuais. Ao contrário, inscrevem-se em sua empresa filosófica. Por essa razão, é preciso relacioná-las com temas centrais do seu pensamento, como o perspectivismo e o experimentalismo, a crítica da metafísica e a luta contra o dogmatismo, a psicologia e a tipologia, os espíritos livres e os filósofos do futuro, a vontade de verdade e a ideia de interpretação, o conceito de vontade de potência e a noção de força, o eterno retorno do mesmo e o amor fati, as ?ideias modernas? e a décadence. Com isso, evita-se o risco de lançar sobre os textos do filósofo um olhar obnubilado pela defesa ou pela recusa das posições feministas. Não se trata de fazer uma leitura literal e anacrônica dos seus escritos, que acabaria por tachá-lo de misógino, nem é o caso, sem uma avaliação prévia de suas proposições, de deixar-se levar por um discurso apologético que faria dele cúmplice do feminismo.
  • 454136

    18,06 %

    Guia Prático Antimachismo

    sinopse
    • ?Ruth Manus coloca o dedo na ferida e fala da necessidade de ser antimachista, algo que pode salvar mulheres e homens de uma cultura tóxica. A luta contra a violência patriarcal é um projeto refinado de humanismo e interessa a todas, todos e, claro.... todes.? ? Leandro Karnal Ruth Manus é autora de outros sete livros, entre eles Um dia ainda vamos rir de tudo isso. Com seu estilo franco e certeiro, Ruth Manus mostra que expandir a conversa sobre o machismo, convidando para o papo as pessoas que ainda não têm familiaridade com o assunto, é mais do que necessário: é urgente. Deixando claro que um livro contra o machismo não é um livro contra os homens, que não são só os homens que têm atitudes machistas e que reconhecer o próprio machismo ? e lutar contra ele ? é um ato de coragem, Ruth nos guia no caminho da conscientização e nos convida a mudar comportamentos, discursos e, em última instância, o próprio mundo. Um livro curto, prático e aplicável, que não pretende esgotar o assunto, e sim atuar como introdução ao debate. Voltado não só para quem quer entender melhor os tempos que estamos vivendo, mas também para quem deseja contribuir ativamente para uma sociedade mais justa.
  • 354996

    15,04 %

    Quem Tem Medo Do Feminismo Negro - Cia Das Letras

    sinopse
    • Um livro essencial e urgente, pois enquanto mulheres negras seguirem sendo alvo de constantes ataques, a humanidade toda corre perigo.Quem tem medo do feminismo negro? reúne um longo ensaio autobiográfico inédito e uma seleção de artigos publicados por Djamila Ribeiro no blog da revista Carta Capital , entre 2014 e 2017. No texto de abertura, a filósofa e militante recupera memórias de seus anos de infância e adolescência para discutir o que chama de "silenciamento", processo de apagamento da personalidade por que passou e que é um dos muitos resultados perniciosos da discriminação. Foi apenas no final da adolescência, ao trabalhar na Casa de Cultura da Mulher Negra, que Djamila entrou em contato com autoras que a fizeram ter orgulho de suas raízes e não mais querer se manter invisível. Desde então, o diálogo com autoras como Chimamanda Ngozi Adichie, bell hooks, Sueli Carneiro, Alice Walker, Toni Morrison e Conceição Evaristo é uma constante. Muitos textos reagem a situações do cotidiano - o aumento da intolerância às religiões de matriz africana; os ataques a celebridades como Maju ou Serena Williams - a partir das quais Djamila destrincha conceitos como empoderamento feminino ou interseccionalidade. Ela também aborda temas como os limites da mobilização nas redes sociais, as políticas de cotas raciais e as origens do feminismo negro nos Estados Unidos e no Brasil, além de discutir a obra de autoras de referência para o feminismo, como Simone de Beauvoir.
  • 313456

    14,0 %

    Mulheres Raca E Classe - Boitempo

    sinopse
    • Mais importante obra de Angela Davis, "Mulheres, raça e classe" traça um poderoso panorama histórico e crítico das imbricações entre a luta anticapitalista, a luta feminista, a luta antirracista e a luta antiescravagista, passando pelos dilemas contemporâneos da mulher. O livro é considerado um clássico sobre a interseccionalidade de gênero, raça e classe. A perspectiva adotada por Davis realça o mérito do livro: desloca olhares viciados sobre o tema em tela e atribui centralidade ao papel das mulheres negras na luta contra as explorações que se perpetuam no presente, reelaborando-se. O reexame operado pela escrita dessa ativista mundialmente conhecida é indispensável para a compreensão da realidade do nosso país, pois reforça a práxis do feminismo negro brasileiro, segundo o qual a inobservância do lugar das mulheres negras nas ideias e projetos que pensaram e pensam o Brasil vem adiando diagnósticos mais precisos sobre desigualdade, discriminação, pobreza, entre outras variáveis. Grande parte da nossa tradição teórica e política (Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, para ficarmos em poucos exemplos) insiste em confinar as questões aqui tratadas por Davis na esfera privada, como se apenas desta proviesse sua solução. A iniciativa da Boitempo de traduzir esta obra, ainda não publicada no Brasil, desponta como uma inestimável contribuição para disseminar as ideias imprescindíveis de Angela Davis (sabemos o quanto ela vem sendo estudada e difundida pelo feminismo negro e por setores da academia) e oferecer, assim, angulações e perspectivas pouco ou nada exploradas pelos empreendimentos voltados à compreensão da nossa intrincada realidade. Como aconselha Bobbio, para não sermos induzidos a crer que a história, a cada ciclo, recomeça do zero, é preciso ter paciência e saber escutar as lições dos clássicos. Em tempos sombrios, esse conselho soa como urgência política.
  • 459340

    PRÉ-VENDA

    As Viagens De Simba Jasíri

    sinopse
    • Uma história de coragem e luta em novo livro infantil de Nei Lopes No ano em que comemora 80 anos, autor lança obra infanto-juvenil pela Globinho Simba Jasíri, viajante do país de Zanje, tinha doze anos quando foi capturado com todo seu povo. Lutou com tanta força pela liberdade que ganhou o apelido de ?leão corajoso?. Caminhou muitos dias, descobriu novas paisagens e viu o mar pela primeira vez. No trajeto, foi separado de sua família, como sempre ocorria com quem era escravizado, e, depois de se ver preso pelos guardas do sultão, foi vendido e passou a trabalhar como estivador em um navio. Quando teve a chance de desbravar os sete mares, aos poucos foi descobrindo o paradeiro de seus pais e sua irmã. Com muita bravura, Simba tenta reunir sua família novamente. Neste relato da diáspora dos povos do continente africano, o escritor e pesquisador Nei Lopes conta uma história de coragem e luta, enquanto nos ensina sobre as riquezas, a geografia, a língua e a cultura de povos de um continente que fala muito sobre nossa ancestralidade, e que frequentemente se vê esquecido pela história oficial. As ilustrações, vivas e vigorosas, são de Marcelo D?Salete, feitas a partir de pesquisas sobre os povos da costa oriental da África.
  • 459084

    14,94 %

    O Desenraizamento Contemporâneo

    sinopse
    • O célebre sociólogo Georges Balandier em entrevistas que abordam desde a antropologia das sociedades dos algures até a interpretações sobre modernidade globalizante. O desenraizamento contemporâneo reúne entrevistas que Georges Balandier concedeu à socióloga e antropóloga Claudine Haroche e ao psicanalista Joel Birman. Essas conversas revelam trocas e debates sobre a construção do saber nas ciências humanas, a partir de um longo percurso de pesquisa e engajamento, mas também do questionamento do mundo, apreendido em sua diversidade, e da história, em suas turbulências.Aqui, Georges Balandier comenta seus temas principais: desde a antropologia das sociedades doslugares até a interpretação da sobremodernidade globalizante. Assim, é possível avaliar o itinerário percorrido pelo etnólogo, antropólogo e sociólogo francês, desde os primeiros trabalhos sobre a ?situação colonial?, o ?Terceiro Mundo? e as libertações africanas, até as interrogações a respeito da ?grande perturbação? das sociedades contemporâneas.Neste livro, é possível também avaliar a fratura antropológica ocorrida na virada do século XX e a entrada sub-reptícia numa nova era, com o rápido surgimento de ?novos novos mundos? dissociados da geografia e oriundas da ?grande transformação?, continuamente em ação desde a década de 1980. A ideia é que esses mundos são por nós habitados num crescente desenraizamento, de tal maneira que se transformam num outro algures, gerado desta vez pelos contemporâneos.
  • 459079

    PRÉ-VENDA

    Celular

    sinopse
    • Democrática ou autoritária? Essa maquineta tecnológica com apenas 7 milímetros de espessura, a depender do modelo escolhido, e em torno de 140 gramas ? menos do que uma xícara de açúcar ? tem sido uma arma poderosa nas mãos dos brasileiros, capaz até de abalar os alicerces das instituições democráticas. É a nova carteira de identidade? Ou um daqueles canivetes suíços com múltiplas ferramentas? Só que aqui, digitais. Muitos podem achar que o celular é apenas uma ferramenta tecnológica. Democrática. Do bem... Será? Este livro aborda, de forma inédita, o uso do celular pelos brasileiros, e reflete sobre até que ponto esse dispositivo chegou: à condição de imprescindível em nossas vidas, ópio virtual, oferecendo um poder incomparável no mundo contemporâneo.
  • 459022

    PRÉ-VENDA

    A Criação Da Consciência Feminista

    sinopse
    • Em A Criação da Consciência Feminista, o aguardado volume final de sua obra-prima, Women and History, iniciada com o clássico A Criação do Patriarcado, a autora documenta a luta feminina para libertar a mente do pensamento patriarcal, criar a História das Mulheres e mostrar as origens da consciência feminista. Por meio de uma narrativa ricamente documentada e repleta de perfis de mulheres inspiradoras, entre elas, Hildegarda de Bingen, Juliana de Norwich e Emily Dickinson, a autora refaz um percurso que vai desde a Idade Média até o fim do século XIX, investigando diversos caminhos trilhados por mulheres marcantes, que se esforçaram para conseguir autonomia e igualdade. Lerner faz também um fundamental estudo de mais de 1.200 anos de crítica bíblica feminista, destacando um insight certeiro: a descontinuidade da História das Mulheres. A obra apresenta às mulheres, e a todos os interessados, uma história da humanidade mais equitativa e igualitária, além de minimizar o apagamento de figuras históricas importantes pelo simples fato de serem mulheres.
  • 459024

    PRÉ-VENDA

    Subversivas

    sinopse
    • Subversivas é uma obra filosófico-pragmática destinada às mulheres para transformar a sociedade e vivenciar na prática a luta pelos seus direitos. Gisèle Szczyglak, Ph.D. em Filosofia Política, com pós-doutorado em Sociologia Política e Ética Aplicada, mostra que a civilização foi confiscada das mulheres e, como consequência, a percepção feminina sobre o mundo, assim como o papel de si mesmas são distorcidos. Para a autora, o caminho para virar este jogo é a subversão. Gisèle analisa como ao compreender as regras impostas pela sociedade e a cultura vigentes, as mulheres podem redirecioná-las para além da reivindicação ? para assim conquistar a plena igualdade de direitos. A autora ainda afirma que, depois de ancoradas na subversão, as mulheres serão capazes, junto com os homens, de fazer com que o feminismo de fato aconteça como um novo humanismo. Um guia para levar às mulheres ao esclarecimento do motivo por que ainda são expostas a situações difíceis ou sofrem impasses em sua vida profissional e pessoal.
  • 458904

    PRÉ-VENDA

    O Que É O Luto

    sinopse
    • Descubra as formas como diferentes culturas lidam com o luto, a tristeza e a dor da perda a partir da análise de mitos dos ritos funerários de diversos países no novo livro do professor e filósofo Renato Noguera, autor de Por que amamos e Mulheres e deusas. O que é o luto? Como lidamos com ele? Por que sentimos o que sentimos ao perder alguém que amamos? Como seguir com a vida frente a sentimentos tão intensos e confusos? Diante das diversas culturas, mitologias e filosofias, como a mexicana, chinesa, africana, entre outras, Renato Noguera se debruça sobre essas questões e nos apresenta os mais diferentes pontos de vista acerca da morte, do luto, e de como nós, seres efêmeros vivendo na iminência da ?desexistência?, lidamos com isso. Do Gurufim realizado por sambistas brasileiros aos ritos hindus praticados na Índia, em O que é o Luto? conhecemos os rituais de passagem, de enterros e velórios, além dos processos de enlutamento praticados por essas diversas culturas e como elas encaram o sofrimento, a tristeza, a frustração e o sentimento de perda. Aqui, aprendemos sobre as diversas formas de lidar com esses sentimentos e entendemos que a vida é feita de ciclos e o fim chega para todos tão naturalmente quanto os começos.
  • 458659

    PRÉ-VENDA

    Movimento Lgbti+

    sinopse
    • ?Sem a pretensão de escrever um manual exaustivo, o autor nos oferece um panorama da constituição moderna do movimento LGBTI+ como movimento político que reivindica direitos, equidade e respeito, a partir de um recorte geográfico ocidental.? Erika Hilton ?Cada uma das partes que compõem este livro faz com que avancemos numa compreensão de que nossa existência é um ato político e o que fazemos a partir dessa conscientização pode, literalmente, ser a medida de nosso sucesso em um projeto de emancipação, horizontalidade e democracia.? Rita von Hunty Em tempos de autoritarismos e conservadorismos morais, nada como a história para nos ensinar e inspirar nas resistências do presente. Sistematizando anos de estudos e elaborações em torno da temática da diversidade sexual e de gênero, Renan Quinalha compartilha neste livro reflexões teóricas e historiográficas em linguagem acessível, sem renunciar à profundidade das discussões, com o objetivo de atingir um público mais amplo interessado no universo LGBTI+. Esta obra destina-se tanto a pessoas que desejam investigar a fundo essa temática como àquelas que estão dando seus primeiros passos nos estudos de gênero e sexualidade. Ela é, sobretudo, um convite à ação política e à luta por igualdade, diversidade e democracia.
  • 458352

    PRÉ-VENDA

    Ame Seus Inimigos

    sinopse
    • As pessoas levaram as divergências políticas para o lado pessoal, e passaram a entender aqueles que discordam delas como inimigos mortais. Por toda parte vemos líderes políticos raivosos, ativistas furiosos nos diretórios acadêmicos das universidades, tentativas de cancelamento e gente muito enfurecida no Twitter. ? A questão é: se não jogarmos esse jogo, acabamos ficando para trás? Bem, não é o que o autor do best-seller e cientista social do New York Times Arthur C. Brooks mostra em seu livro ?Ame Seus Inimigos?. Nele, Brooks nos oferece um roteiro para chegar à felicidade, que vem quando escolhemos amar uns aos outros, apesar de nossas diferenças.
  • 458183

    15,05 %

    Travestilidades Em Diálogo Na Pista Acadêmica

    sinopse
    • Este livro, que reúne uma diversidade de autores, autoras, temas, posições teóricas e apreensões políticas, tem origem em uma pesquisa, desenvolvida em 2015, sobre as sociabilidades de travestis na cidade de Belo Horizonte ? um marco na trajetória de estudos quantitativos e qualitativos sobre as travestilidades no Brasil. Considerando que boa parte das pesquisas quantitativas sobre as experiências travestis foi produzida tendo a aids como referência, este trabalho intencionou muito mais criar pontes de diálogo entre a pista das ruas e as pistas acadêmicas, a partir da produção conjunta sobre as diversas sociabilidades travestis na cidade. Ele espelha, assim, um processo tensionado pelos movimentos sociais trans e travestis do país de provocar o mundo acadêmico a dialogar com as experiências não mais tomadas como objetos de investigação, mas, agora, como narrativas dialógicas sobre os direitos, o corpo, o sexo, o trabalho, as violências e as condenações que muitas vivências da diversidade até hoje enfrentam. Aqui, essas pontes entre as duas pistas são posições de levante e enfrentamento.
  • 458180

    Lugar De Negro

    sinopse
    • Potente e emblemático, Lugar de negro traça um panorama sucinto de um dos problemas sociais mais candentes do nosso país. Passadas quatro décadas de sua publicação original, sua leitura permanece atual e obrigatória para entender as dinâmicas de raça e classe no Brasil. Lugar de negro reúne três textos de duas grandes referências nos estudos das relações entre desigualdade e raça ? Lélia Gonzalez e Carlos Hasenbalg ?, sintetizando pontos centrais da questão racial brasileira e contribuindo para fortalecer uma luta fundamental do movimento negro naquela época: descontruir o mito da democracia racial, incitado durante a ditadura. Numa perspectiva intimista, Lélia Gonzalez dedica-se aqui a apresentar o processo de consolidação do movimento negro no Brasil, culminando na criação do MNU, em 1978, na qual exerceu protagonismo. Carlos Hasenbalg, por sua vez, analisa os principais aspectos acerca da configuração do racismo e das desigualdades no Brasil. Seguindo sua linha investigativa pioneira, ele demonstra que relegar a discriminação ao reflexo das relações de classe subestima o papel da opressão racial na própria constituição das hierarquias sociais. Publicado originalmente em 1982, este livro apresenta ainda hoje reflexões cruciais para a agenda intelectual e política do Brasil.
  • 458176

    Nada Os Trará De Volta

    sinopse
    • Uma análise refinada e eloquente sobre as muitas faces do racismo no Brasil e o papel do Movimento Negro em seu enfrentamento, por um de nossos maiores intelectuais e ativistas. Edson Lopes Cardoso tem larga experiência na vida política e no ativismo negro. Leitor arguto e dono de formidável bagagem literária, seu projeto intelectual se confunde com a militância, opção incomum num país de célebre cultura bacharelesca. Nada os trará de volta reúne 151 textos publicados ao longo de quase quarenta anos, divididos em cinco blocos temáticos: ?Movimento Negro?, ?Denúncia do genocídio negro?, ?Incidência política?, ?O jornalismo em revista? e ?Imaginário?. Se por vezes a violência racial escancara os dentes, em tantas outras ela se oculta da maneira mais pérfida. Mas Cardoso é implacável em seu diagnóstico, como demonstra no constante debate que manteve com os principais veículos de comunicação do país e ao interpelar, em análises tão sofisticadas quanto surpreendentes, figuras como Carlos Drummond de Andrade, Caetano Veloso e João Ubaldo Ribeiro. ?Edson Cardoso é um militante histórico do Movimento Negro brasileiro. Sempre atuou em nome da informação, da formação e articulação políticas. Paciente com neófitos e intransigente com os desvios dos mais velhos, em sua absoluta devoção à causa racial, é nosso mais nobre cavaleiro.? ? Sueli Carneiro
  • 458135

    Vida Para Consumo

    sinopse
    • Em Vida para consumo, Zygmunt Bauman explicita e analisa um traço marcante da sociedade contemporânea: a transformação das pessoas em mercadorias. Ao abordar a questão, o autor reflete de forma ampla sobre o impacto da conduta consumista em diversos aspectos da vida. A invasão e colonização da rede de relações humanas por visões de mundo e padrões de conduta moldados pelo mercado são alguns dos temas centrais deste livro, no qual Bauman aborda também as fontes de ressentimento, discordância e ocasional resistência às forças dominantes. Essa sutil e penetrante transformação dos consumidores em mercadorias é, como o autor afirma, a principal característica ? a verdade oculta, o segredo mais profundo e bem guardado ? da sociedade de consumo. As pessoas precisam se submeter a um constante remodelamento para que, ao contrário das roupas que saíram de moda, não fiquem obsoletas. O autor examina ainda o impacto das atitudes e padrões de conduta consumistas em diversos aspectos aparentemente desconexos da vida social: política e democracia, estratificação e divisão social, comunidades e parcerias, construção de identidade, produção e uso de conhecimento, adoção e propagação de valores. Vida para consumo é uma obra fundamental para leitores de Bauman e para qualquer um que se interesse por suas temáticas.
  • 458132

    Conexões

    sinopse
    • Conexões apresenta uma visão ampla sobre as origens das emoções humanas e examina o que as doenças mentais revelam sobre todos nós. ?Um livro revelador. Lembra os estudos de caso de Oliver Sacks e às vezes o olhar amplo de Yuval Harari, em Sapiens.? ? The Guardian Por que sentimos o que sentimos? O que nos suscita sentimentos intensos? Ou, mais diretamente, o que são esses sentimentos, no sentido físico, até o nível das células e suas conexões? Com base em pesquisas de ponta e estudos de caso dos próprios pacientes em sua rotina numa emergência psiquiátrica, Karl Deisseroth tenta preencher a lacuna de conhecimento que existe entre os antigos circuitos do nosso cérebro e os momentos de sofrimento em nosso dia a dia. As histórias dos pacientes do autor são ricas em humanidade e lançam uma luz sem precedentes sobre o eu ? e as maneiras pelas quais ele pode desmoronar. Uma jovem com distúrbio alimentar revela como a mente pode se rebelar contra os impulsos mais primitivos do cérebro, como fome e sede, um idoso, sufocado pela demência, mostra como os humanos evoluíram para sentir alegria e a ausência dela, e uma mulher solitária, longe de sua terra natal, ensina a importância ? e os desafios ? dos profundos laços sociais. Conexões nos confronta com a necessidade essencial de nos questionarmos sobre nossa condição de seres humanos, sobre os sentimentos universais de perda e dor que surgem das relações, e sobre as profundas fraturas nas formas pelas quais podemos perceber a realidade. É uma obra reveladora, que transforma nossa compreensão não apenas do cérebro, mas de nós mesmos, como seres sociais, ilustrando de forma vívida, por meio da ciência e de histórias humanas, nossa busca por conexão e significado. ?Uma análise brilhante e comovente do cérebro humano e das emoções. Uma grande leitura.? ? Nature ?Deisseroth realiza a difícil façanha de, ao mesmo tempo, comover e esclarecer. Um livro agradável de ler e repleto de ciência de ponta.? ? The Observer
  • 457931

    15,02 %

    Oscar Wilde: Obras Escolhidas

    sinopse
    • """Um gênio à frente de seu tempo Dândi e gênio, Oscar Fingal O?Flahertie Wills Wilde (1854-1900) encantava com seu talento e excentricidade a sociedade londrina do final do século XIX. Em 1890, seu romance O retrato de Dorian Gray causou paixão e polêmica no exigente meio cultural inglês. No final de 1894 foi lançada, na Inglaterra, a tradução da sua peça mais famosa, Salomé, originalmente escrita em francês e publicada em Paris em 1891. Em meados da década de 1890, Oscar Wilde chegou ao topo do prestígio e da admiração pública, glória que duraria pouco tempo. Três peças suas (O leque de Lady Windermere, Um marido ideal e A importância de ser prudente) lotavam os principais teatros de Londres, mas, no final do ano de 1895, acusado de crimes de natureza sexual por sua tumultuada ligação amorosa com o jovem Alfred Douglas, foi julgado e condenado a dois anos de prisão e trabalhos forçados. Cumprida a pena, foi declarado falido pela justiça inglesa, decidiu exilar-se e morreu na miséria em Paris, em 30 de novembro de 1900. Neste volume da coleção Obras Escolhidas estão momentos fundamentais do trabalho deste grande escritor: o genial O retrato de Dorian Gray, seu único romance e uma das obras mais ­importantes da literatura universal, o livro A alma do homem sob o socialismo, de 1891, mais tarde republicado com o título de A alma do homem. Neste texto, considerado um clássico anarquista, Oscar Wilde defende o socialismo como uma grande opção da humanidade, desde que mantida, antes de tudo, a individualidade do ser humano, e demonstra que a autoridade ? seja ela qual for ? e a propriedade estão na origem de todas as deformações sociais. E, por fim, De profundis e outros escritos do cárcere, publicado postumamente, revela todo seu martírio na relação com lorde Douglas e as terríveis condições de seu encarceramento na prisão de Reading. Os Editores"""
  • 457553

    15,03 %

    O Desejo Dos Outros

    sinopse
    • Em O desejo dos outros, Hanna Limulja oferece uma porta de entrada ao mundo yanomami através dos seus sonhos. Com o que sonham? O que significa sonhar e por que é importante? Entre os Yanomami, os sonhos não são desejos inconscientes do sujeito, como descreve a psicanálise: sonhar é habitar outros mundos, deparar com outros seres e, nesses encontros, mobilizar-se pelo desejo dos outros. Além disso, o sonho, especialmente ao ser socializado, adquire funções práticas, desempenhando um papel político no dia a dia da comunidade: sonhar com inimigo é motivo para atentar-se bem aos entornos da maloca no dia seguinte, se no sonho a pessoa aparece ricamente adornada, como se estivesse já no mundo dos mortos, é preciso zelar por sua segurança, para mantê-la neste mundo. Aqui o que importa para Limulja (e para os Yanomami) não é tanto a interpretação do sonho quanto o que se pode e deve ser feito com ele. Todos sonham, mas os xamãs são aqueles que dominam o sonhar, pois é através deste que viajam e se abrem para a alteridade, o desconhecido, o distante, e podem conhecer mundos onde nunca estiveram. Xamã yanomami, Davi Kopenawa diz que os napë pë (os brancos) não sabem sonhar. Sonham apenas consigo mesmos, com seu mundo familiar e suas preocupações particulares. Ao passo que o yanomami que sabe sonhar, que envolve saber o que fazer do próprio sonho, desbrava o mundo e aprende com os outros. No momento em que se comemoram 30 anos da homologação da Terra Indígena Yanomami, este livro da antropóloga Hanna Limulja alerta para a importância do sonhar para a resistência indígena. ?Apresento os sonhos yanomami às pessoas que nunca sonharam a floresta e que talvez nunca tenham ouvido falar dos Yanomami. Para que conheçam um pouco de sua história, de suas vidas, de seus pensamentos, e para que possam, por sua vez, sonhar com outro modo de ser que, diferente do nosso, e por isso mesmo, tem muito a nos ensinar.?
  • 457536

    PRÉ-VENDA

    Pensando O Impensável

    sinopse
    • Você já parou para pensar como será o mundo daqui dez anos? E os próximos vinte ou cinquenta? Carros voadores ou robôs são só a ponta de um iceberg enorme de inovações que mais parecem cenários retirados de filmes de ficção científica. O mais impressionante disso tudo é que muitas delas nem precisarão de anos para acontecer, pois já estão acontecendo agora e você nem se deu conta. O universo digital vem transformando a cultura mundial. A maneira como vemos o mundo, nos relacionamos, trabalhamos e consumimos foi totalmente alterada pela web. Essa alteração de percepção do mundo, das pessoas ao nosso redor e de quem somos traz infinitas possibilidades e questionamentos. Pensando nisso, Gil Giardelli traz sua experiência de quase vinte anos em inovação e Cultura Digital para nos apresentar neste livro quais são as impressionantes transformações que já estão acontecendo e as que estão por vir. Desde modelos bancários, inovações na indústria, no agronegócio e nas redes sociais até robôs futuristas que podem revolucionar o mercado de trabalho e o seu dia a dia nos próximos anos. O futuro é agora e quem estiver preparado para ele sairá na frente.
  • 457530

    15,03 %

    Feminista, Eu?

    sinopse
    • Neste ensaio inédito, baseado em larga pesquisa e em uma série de entrevistas, Heloisa Buarque de Hollanda analisa o papel das mulheres em campos chave da cultura brasileira, como a literatura, o cinema novo e a MPB, entre os anos 1950 e 1980, evidenciando atuações pioneiras de artistas que fizeram o feminismo avançar, mesmo sem, muitas vezes, se dar conta dessa fundamental atuação. Afinal, é comum que a militância feminista seja vista separada da força política da produção cultural das mulheres. Nessa recuperação histórica acompanhada de uma afiada análise crítica, Heloisa ? que tem, ela mesma, um papel de destaque na construção de repertórios para as lutas feministas ? traz à luz esse elenco de mulheres que impuseram a presença feminina e as pautas feministas na cena artística e mudaram definitivamente a cultura do país. São nomes como Elis Regina, Leci Brandão, Rita Lee e Joyce Moreno, Carmen da Silva, Carolina Maria de Jesus, Ana Cristina Cesar, Marina Colasanti e Marilene Felinto, Adélia Sampaio, Helena Solberg, Vera Figueiredo, Eunice Gutman e muitas outras que têm seu pioneirismo analisado com o olhar afiado e o texto saboroso de Heloisa.
  • 457417

    14,93 %

    Economia Feminista

    sinopse
    • Organizado pelas catalãs Cristina Carrasco Bengoa e Carme Díaz Corral, o livro reúne artigos de pesquisadoras espanholas e latinoamericanas que discutem a economia pelo viés do gênero, por meio de uma crítica ao pensamento econômico hegemônico e a proposição de novas alternativas para romper com as violências e opressões perpertuadas contra as pessoas mais vulneráveis, principalmente as mulheres. Os textos trazem à tona reflexões sobre capitalismo exploratório e a problemática do trabalho pela perspectiva social, ambiental, urbana, micro e macroeconômica.
  • 457348

    15,04 %

    Alcateia

    sinopse
    • Alcateia é o empoderador apelo enfático de Abby Wambach para que as mulheres reivindiquem seu poder individual e se unam à sua alcateia com oito regras novas que mudarão o jogo para sempre. Os lobos ? temidos por muitos como uma ameaça ao sistema ? se tornaram a salvação. Agora, observe nosso mundo atual: percebe o que está acontecendo? As mulheres ? temidas por muitos como uma ameaça ao nosso sistema ? se tornarão a salvação da sociedade. Nós somos a solução pela qual esperávamos. Ao longo da minha vida, minha equipe foi minha alcateia. Agora, minha alcateia consiste em Todas as Mulheres do Mundo. Abby Wambach, Ganhou duas vezes a medalha olímpica de ouro, é campeã da Copa do Mundo da FIFA e a maior artilheira internacional dentre os jogadores de futebol masculino e feminino. Ela é ativista em prol da igualdade e da inclusão e autora best-seller do New York Times pelo livro Forward: A memoir.Ela é cofundadora do Wolfpack Endeavor, que revoluciona o desenvolvimento da liderança de mulheres no ambiente de trabalho e em outras áreas por meio de seu mindset defensor, treinamento individualizado e foco no espírito de equipe.
  • 457197

    14,94 %

    Povo Brasileiro

    sinopse
    • Dentre a vasta obra de Darcy Ribeiro, destaca-se, sem sombra de dúvidas, o ensaio O povo brasileiro ? a formação e o sentido do Brasil, publicado em 1995. O texto ao qual o intelectual dedicou boa parte de sua vida entraria de forma natural para o seleto grupo de reflexões fundamentais para se compreender a gênese da sociedade brasileira. Em outubro de 2022, Darcy Ribeiro completaria 100 anos. E para celebrar a presença viva de seu pensamento entre os leitores, a Global Editora publica uma edição comemorativa de O povo brasileiro. O volume traz um rico caderno iconográfico com fotos do autor em diversos momentos de sua intensa vida, bem como datiloscritos de O povo brasileiro. A edição conta ainda com dois textos exclusivamente para ela encomendados: um de autoria de Alberto da Costa e Silva, historiador e membro da Academia Brasileira de Letras, e outro de Gisele Jacon, antropóloga que trabalhou como assistente de Darcy nos momentos em que o antropólogo redigia seu livro.
  • 457139

    22,98 %

    Mulher

    sinopse
    • Revisitar um estudo e considerá-lo frente à sua atualidade: com esse gesto, Maria Alice Schuch publica esta sua obra Mulher: quem é você? Como você se percebe? Nessa obra, a qual tem como texto primeiro sua tese intitulada ?A igualdade de Gêneros e a Autonomia da Mulher - Percepção da mulher sobre si mesma: abordagem Ontopsicológica?, apresentada e defendida na Universidade Estatal de São Petersburgo ainda em 2003, a autora historiciza e contextualiza, de forma direta e dinâmica, o lugar que a mulher ocupou, tanto nos diversos campos do conhecimento e nas instituições sociais, quanto no comportamento que assumiu diante das concepções que se tinha sobre ela. No entanto, avaliar a grandeza do potencial feminino e, ao mesmo tempo, perceber a contradição na qual a mulher vive foi o desafio ao qual se lançou: agir no sentido de fazê-la voltar-se a si, questionar-se e, consciente de que pode (e deve) se posicionar na vida de forma muito mais intensa e plena do que historicamente tem feito, agir de modo autêntico e alheio a determinações. Ao subsidiar-se na teoria ontopsicológica do professor Antonio Meneghetti (1936-2013), em que compreender os princípios do Em Si ôntico e do Monitor de deflexão são essenciais para o libertar-se dos estereótipos e o assumir a própria existência, Maria Alice empreende cursos, nos quais mulheres veem-se instigadas a reencontrarem- se e a agirem na direção de sua própria luz. Serem líderes e autoras do próprio destino. É por esse percurso, pensando-o, e com este trabalho, divulgando- o, que a teoria s e faz ação e a ação volta-se a reflexões que, certamente, vão servir de inspiração para outras tantas mulheres ? e, por que não, para homens? ? ressignificarem sua existência, fazendo-a harmônica ao seu próprio projeto e luz para todos os que estão à sua volta. Em linguagem acessível e inspiradora, é um texto claro, informativo e instigante, perfeito para quem quer pensar o seu próximo projeto.
  • 457019

    14,92 %

    O Solo Movediço Da Globalização

    sinopse
    • De Mariana a Brumadinho, os últimos anos foram marcados por ?acidentes? ambientais promovidos pela mineradora Vale S.A. O solo movediço da globalização, do sociólogo Thiago Aguiar, é resultado de uma ampla pesquisa sociológica, econômica e etnográfica, conduzida em dois países com forte presença da gigante mineradora, Brasil e Canadá. O autor foi a campo e conversou com trabalhadores, dirigentes sindicais, gestores e ex-gestores da empresa para mostrar as mudanças nas relações de trabalho ao longo dos anos, a reestruturação das operações da Vale no Canadá, após a compra da Inco em 2006, que levou à maior greve no setor privado daquele país em trinta anos, além das recentes transformações na estrutura de propriedade e na ?governança corporativa? da Vale. Com consequências devastadoras para trabalhadores, comunidades e meio ambiente, o caso da Vale S.A. é um exemplo da desastrosa integração da economia brasileira ao capitalismo global nas primeiras décadas do século XXI. No livro, o autor narra em detalhes a complexa transformação da Vale, uma tradicional empresa estatal umbilicalmente associada ao ciclo industrializante do país, em uma grande corporação mundial na liderança da produção de minério de ferro e de níquel. ?Neste livro, Thiago Aguiar nos oferece uma oportunidade ímpar para compreendermos catástrofes como as de Mariana e Brumadinho, e agirmos a fim de evitar que elas se repitam no futuro. De fato, o lado sombrio da globalização capitalista foi iluminado por esta obra politicamente radical e sociologicamente instigante. A urgente resposta da sociedade às ameaças trazidas para nossa existência pela financeirização capitalista se fortalece com livros como este. Lê-lo e debatê-lo são tarefas estratégicas para todos os que lutam por uma sociedade justa e ambientalmente sustentável?, escreve o professor Ruy Braga no prefácio da obra.
  • 456879

    15,0 %

    Coloquem Suas Mácaras!

    sinopse
    • Em 2020, a Covid-19 resultou no confinamento de mais de metade do planeta e fez centenas de milhares de vítimas. Bilhões de pessoas viram seu cotidiano radicalmente transformado de forma mais ou menos duradoura. Desde o início dessa crise sem precedentes, a associação Cartooning for Peace, cuja rede de cartunistas se estende por 67 países de todo o globo, reuniu centenas de charges, retratando a situação internacional. Para esta obra, prefaciada pela filósofa Viviane Mosé e em parceira com a Anistia Internacional, foram selecionadas 120 charges, rastreando o aparecimento do vírus e revisitando os meses que atravessamos, antes de conseguirmos vislumbrar o "mundo pós-Covid". Vindas dos mais variados contextos, elas nos permitem captar questões relacionadas pandemia, um desafio sanitário de imensas consequências políticas, sociais e econômicas. Valorizando a charge como meio de expressão, o Senac São Paulo visa, por meio deste lançamento, ampliar o acesso às crônicas visuais de artistas do mundo todo, suscitando debate e reflexão sobre o momento que vivemos. Os direitos autorais deste livro serão revertidos para a Cartooning for Peace, direcionados a cartunistas que têm suas vidas ameaçadas.
  • 456770

    15,03 %

    O Abolicionismo

    sinopse
    • "Uma obra fundamental para se compreender o Brasil Apresentação de Luiz Carlos dos Santos. "A escravidão permanecerá por muito tempo como a característica nacional do Brasil", escreveu Joaquim Nabuco (1849-1910), o primeiro pensador brasileiro a compreender a extensão e a profundidade dos efeitos estruturantes da experiência de mais de três séculos de escravidão. Este livro, uma das obras mais festejadas do autor, foi concluído em 1883, já durante a vigência de várias leis (frequentemente burladas) que deveriam restringir a escravidão no território nacional, mas ainda cinco anos antes da abolição total da escravatura. Faz parte, portanto, da campanha pela abolição, da qual Nabuco foi, por décadas, talvez a principal voz branca, e é de valor inestimável para se entender o longo processo histórico, econômico e político que enfim levaria ao fim da escravidão, bem como as resistências e os interesses que estavam em jogo na segunda metade do século XIX. Um libelo magnificamente construído e bem-argumentado, cuja relevância segue igual hoje, quase 150 anos após sua redação."
  • 456621

    25,01 %

    Ensaios Sobre O Conceito De Cultura

    sinopse
    • Neste livro, Zygmunt Bauman faz uma revisão crítica do conceito de cultura nas ciências sociais. Percorrendo um longo caminho, dos gregos antigos ao pós-estruturalismo, ele examina as principais correntes de pensamento que estudaram o significado da cultura na sociedade. Ao analisar a história do conceito de cultura, Zygmunt Bauman apresenta uma proposta inovadora: alinhar os fenômenos e manifestações culturais no campo da práxis ? a atividade livre, universal, criativa e autocriativa pela qual os homens transformam o mundo em que vivem. Nos três ensaios aqui reunidos, o autor sintetiza o confronto entre a concepção de cultura como privilégio da elite e seu entendimento como modo de diferenciação nas comunidades baseadas em fronteiras temporais e geográficas, avalia o debate sobre a necessidade de produzir uma ordem a partir da estrutura social, sendo o campo cultural a forma de organizar simbolicamente o mundo, e, por meio da crítica ao ?comunitarismo?, propõe um conceito que envolva a ambiguidade dos processos culturais. Esta edição inclui ainda uma rica introdução do autor que esclarece a relevância deste texto para suas obras posteriores, operando como elo crucial na formação de seu pensamento.
  • 456562

    Medo Líquido

    sinopse
    • Medo líquido, uma obra reveladora de Zygmunt Bauman, fala sobre as origens, as dinâmicas e os usos do medo na modernidade líquida. Ao mesmo tempo, é um convite para que tentemos encontrar maneiras de colocá-lo fora de ação ou torná-lo inofensivo. Nesse estudo singular sobre a vida social contemporânea, Zygmunt Bauman analisa os fundamentos do medo na era líquido-moderna. Segundo o sociólogo polonês, as certezas da modernidade sólida se foram e, com isso, a utopia do controle sobre os mundos social e natural desmoronou. Desprovido do domínio sobre aspectos como a natureza, a economia globalizada, o bem-estar social e o poder da tecnologia, o ser humano vive hoje em meio a uma ansiedade constante. Temos medo de perder o emprego, de sermos aniquilados por um grande evento natural, da violência urbana, do terrorismo, de perder o amor do parceiro, da exclusão, de ficarmos para trás. Neste livro, Bauman faz um inventário dos medos presentes na modernidade líquida. Apresentando um diagnóstico de clareza inigualável, o autor desvela as origens comuns das ansiedades atuais, analisa os obstáculos que impedem o pleno entendimento da situação e examina os mecanismos que possam deter a influência do medo sobre as nossas vidas.

Produtos encontrados: 499 Resultado da Pesquisa por: em 12 ms

Itens por página:

Produtos selecionados para comparar: 0Comparar