Ícone Menu

Deuses Supremos

LV483324

De: R$ 84,90Por: R$ 72,20ou X de

Economia de R$ 12,70

Formas de pagamento:
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 72,20
  • 2X de R$ 36,10 sem juros
  • 3X de R$ 24,06 sem juros
Outras formas de pagamento
Comprar
Comprar
Devolução em até 7 dias
Entrega rápida e garantida

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o dinheiro.

De um historiador premiado, vem uma narrativa deslumbrante sobre o nascimento da antropologia cultural e dos cientistas aventureiros que a criaram - uma crônica abrangente de descobertas e a fascinante história da origem do nosso mundo multicultural. Um século atrás, todos sabiam que as pessoas eram destinadas, por sua raça, sexo e nacionalidade, a serem mais ou menos inteligentes, educadas ou combativas. Mas um professor da Universidade de Columbia, Franz Boas, analisou os dados e concluiu que todos estavam errados. As categorias raciais, insistia ele, eram ficções biológicas. As culturas não vinham em pacotes organizados rotulados como primitivas ou avançadas. O significado de família, uma boa refeição ou mesmo bom senso era produto da história e das circunstâncias, não da natureza. Em Deuses Supremos, uma narrativa magistral de ideias radicais e vidas apaixonadas, Charles King mostra como essas intuições levaram a uma reformulação fundamental do imaginário sobre a diversidade humana. Os alunos de Boas foram algumas das figuras mais pitorescas, visionárias e pouca reconhecidas do século: Margaret Mead, a eloquente pesquisadora de campo cujo Adolescência, Sexo e Cultura em Samoa está entre as obras de ciências sociais mais lidas de todos os tempos, Ruth Benedict, o grande amor da vida de Mead, cujas pesquisas moldaram o Japão após a Segunda Guerra Mundial, Ella Deloria, a ativista de Dakota Sioux que preservou as tradições dos nativos norte-americanos nas Grandes Planícies, e Zora Neale Hurston, cujos estudos com Boas alimentaram diretamente seu romance já clássico, Seus Olhos Viam Deus. Juntos, eles mapearam civilizações do Sul dos Estados Unidos ao Pacífico Sul e das ilhas do Caribe às ruas de Manhattan. Eles desencavaram um fato essencial escondido sob séculos de preconceito: que a humanidade é um todo indiviso. Suas descobertas revolucionárias inspirariam as concepções fluidas de identidade que conhecemos hoje. Rico em drama, conflito, amizade e amor, Deuses Supremos é uma história brilhante e inovadora do progresso norte-americano e da expansão da mente moderna. "Esmerado e caleidoscópico... Este é o momento perfeito para o livro decididamente humano de King." - Jennifer Szalai, The New York Times "Reflexivo, profundamente inteligente e imensamente acessível." - Alison Gopnik, The Atlantic "Uma história magistral sobre um grupo de pensadores dissidentes do início do século XX que visava destronar os eugenistas que dominavam o pensamento racial. Com a reascensão da eugenia, o livro de King é vital para nossos tempos." - Ibram X. Kendi, autor de Como ser um antirracista, vencedor do National Book Award, em 2016 "King enfoca Mead e seus colegas de pensamento em uma época que foram os pioneiros em um novo campo e documentaram a diversidade esplendorosa da humanidade de uma forma profícua, em vez de divisiva."

CARACTERÍSTICAS

EditoraALTA CULT
FormatoBROCHURA
AutorCHARLES KING
Ano da Edição2021
SubtítuloCOMO UM CIRCULO DE ANTROPOLOGOS DESERTORES REINVENTOU A RACA O SEXO E O GENERO NO SECULO XX
EAN139788550815114
Edição1
ISBN855081511X
Páginas448

Avaliações do Produto

Dúvidas dos Consumidores