Ícone Menu

PRÉ-VENDA

Sitiado Em Lagos

LV517385

Por: R$ 49,90ou X de

Formas de pagamento:
Opções de Parcelamento:
  • à vista R$ 49,90
  • 2X de R$ 24,95 sem juros
Outras formas de pagamento
Comprar
Comprar

Frete e prazo

Devolução em até 7 dias
Entrega rápida e garantida

Receba o produto que está esperando ou devolvemos o dinheiro.

PREVISÃO DE LANÇAMENTO: 30/06/2024. O Festac 77 foi um festival idealizado para celebrar e exibir ao mundo a força da cultura africana e afrodescendente. Ao longo de quatro semanas (de 15 de janeiro a 12 de fevereiro de 1977), expoentes negros da música, das artes plásticas, da dança e do teatro se apresentaram em Lagos, na Nigéria. O coração do festival era, no entanto, o colóquio que reuniria centenas de intelectuais de todas as partes do mundo e que, como não poderia ser diferente em plena era da independência das antigas colônias africanas, abordaria o legado da colonização e a situação dos afrodescendentes no mundo, com forte participação dos Estados Unidos e do Brasil, onde se encontravam (e ainda se encontram) as maiores comunidades negras fora da África. Mas o Brasil vivia uma ditadura já de treze anos, com toda sorte de violações dos direitos humanos, censura e impedimentos de manifestações, milhares de cidadãos exilados e onde um indivíduo poderia ser preso apenas por não estar com seu documento de identidade (principalmente se fosse negro ou pardo) e que propagava as ideias do "milagre econômico", da "ordem e progresso" e da "democracia racial". O paraíso tropical na Terra. Não é de surpreender, portanto, que a comitiva brasileira (a "gangue dos seis", como a chamou Abdias) não contasse com nenhum pesquisador que contestasse o status quo. Quando Abdias Nascimento, ativista, homem de teatro (criador do Teatro Experimental do Negro) e professor da Universidade do Estado de Nova York, decidiu participar do colóquio, o governo brasileiro declarou-lhe guerra. Sitiado em Lagos é o registro dessa guerra. Abdias Nascimento não apenas denuncia o cerceamento que lhe é imposto, como expõe a pressão diplomática e as calúnias de que o Itamarati faz uso junto às autoridades e à imprensa nigerianos visando impedir que ele participasse do colóquio e denunciasse o que acontecia no Brasil, em particular a violência contra sua população negra, vítima do insidioso racismo do país.

CARACTERÍSTICAS

FormatoBROCHURA
Número de Páginas144
SubtítuloAUTODEFESA DE UM NEGRO ACOSSADO PELO RACISMO
EditoraPERSPECTIVA
AutorABDIAS NASCIMENTO
Ano da Edição2024
EAN139786555051872
Edição2
IdiomaPORTUGUES
FabricantePERSPECTIVA
ISBN6555051876
Páginas144

Avaliações do Produto

Dúvidas dos Consumidores